Os seis estímulos do marketing
46407
post-template-default,single,single-post,postid-46407,single-format-standard,bridge-core-2.3.9,gdlr-core-body,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-theme-ver-22.4,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Os seis estímulos do marketing

O marketing conta com seis estímulos para despertar a atenção e suscitar o interesse na aquisição de um produto.

Existem algumas formas de despertar a atenção do nosso cérebro, para além da psicologia das cores. Estas técnicas criam uma forma mais rápida de assimilação, e implementação da necessidade da compra do produto/serviço.

A primeira é o Ego, a parte mais primitiva do nosso cérebro é centrado em si e nos seus interesses.

Esta parte do cérebro está ligada aos instintos básicos de sobrevivência e tendencialmente age de acordo com os seus interesses. Assim aproxima-se daquilo que lhe gera prazer e repudia situações que entende como desagradáveis ou de perigo.

Devemos entender que dependendo da pessoa a quem se dirige o mesmo artigo poderá provocar reações diferentes.

O segundo estímulo é o Contraste. Aqui o que se pretende é demonstrar as diferenças que o produto trará, ou seja o antes e o depois do produto. Ao demonstrar os benefícios da aquisição do produto a receção ao mesmo será muito superior.

Ao transmitir a mudança positiva na vida do cliente, mesmo que se trata de um pequeno produto/serviço, irá direcionar o cliente para a compra. Caso contrário poder-se-á gerar um estado de confusão que tende a adiar ou anular a compra.

O terceiro estímulo é a Tangibilidade, onde criámos situações facilmente reconhecíveis no cliente, que sejam familiares, e como tal com as quais se identifica.

Quando mostramos um produto/serviço através de uma storytalle que seja familiar ao nosso consumidor provocamos um estado de empatia com o que oferecemos.

A seguinte técnica é o Início e o Fim, é bastante usual a meio de uma publicidade ou de um discurso as pessoas que estão a ouvir a mensagem ficarem distraídas durante algum tempo.

É bastante complexo se conseguir que o nosso público-alvo mantenha a atenção de igual forma ao longo de toda a informação que lhe passamos, existindo um espaço de tempo em que o que é transmitido será quase sempre ignorado. Este tempo é a meio da mensagem, altura em que perdemos a atenção, e como tal a informação mais relevante para a venda do bem vai ser perdida.

Sabendo que a mensagem é assemelhada de melhor forma no início e no final da mensagem, o ideal é passar a informação mais pertinente no início da mensagem, e incitando o cliente a aquisição no final da mesma.

O quinto estímulo é o a Visão. Podemos entender a visão como um estímulo particularmente forte, pois vai influenciar a decisão em poucos segundos.

Os nossos olhos conseguem passar a informação de todo o mundo exterior ao cérebro em poucas milésimas de segundo, criando desde logo um impacto positivo ou negativo.

As imagens podem despoletar inúmeras sensações, sejam estas de medo, repudio ou simpatia.

Assim deve certificar-se que procura usar as formas, cores e tamanhos adequados, para passar uma mensagem positiva.

Por fim temos o sexto estímulo, que são as Emoções. Ao apelar às emoções do seu público-alvo vai desenvolver uma forte relação com ele.

São efetivamente as emoções que um produto/serviço despoleta que me pode tornar cliente ou fidelizar à marca. É bastante comum existir uma relação que se estende não só ao público-alvo imediato, como também às pessoas com as quais ele se relaciona, fomentando a marca como um ícone na vida das pessoas.

O Marketing 5.0 está direcionado, mais do que nunca, para a construção de empatia e emoções entre o cliente e o produto/serviço. Entendendo-se a individualidade de cada pessoa.

Conte connosco para o ajudar a criar uma relação próxima com os seus clientes, e entrar no mundo do Marketing Digital.